sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Teoria metabiológica de graceli.

Teoria da programação vital-biológica.
Autor – Ancelmo Luiz graceli.

Brasileiro, professor, pesquisador teórico, graduado em filosofia.

Rosa da penha, Cariacica, Espírito Santo, Brasil.


Colaborador. Márcio Piter Rangel.

Trabalho registrado na Biblioteca Nacional – Brasil - Direitos Autorais.

Agradeço a algumas faculdades que estão incluindo os meus trabalhos em seus currículos.

Que é metafenomênica, fenomênica e imanente.


Sobre o potencial da vida.

O ápice vital para a reprodução do óvulo e esperma dos seres humanos é até os vinte anos, a partir desta idade o esperma e óvulo passam a perder potencialidade vital.

Ou seja, a reprodução e produção de células têm uma progressão de potencialidade vital até um ápice e depois passa a decrescer progressivamente.


Isto também ocorre na renovação celular, no potencial de regeneração, mimetismo, camuflagem, potencial vital, metabolismo, e vários outros fenômenos.

E isto segue uma programação da própria vitalidade.

Pois a vitalidade se processa conforme uma programação vital-imanente, anteriormente programada e aprimorada.


A vida desenvolveu uma programação e direcionamento para funcionar, aprimorar-se e se desenvolver.

Está programação está presente nas fases vitais, psíquicas, fisiológicas, metabólicas, lógicas e racionais, produção de hormônios, fases conforme a época da vida para o aprimoramento, para a reprodução, para a intensidade da vida e preparo para morte.

Ou seja, a programação segue dois direcionamentos – um metafenomênico para a reprodução, renovação celular, órgãos, membros, potencial vital, etc.

E outro fenomênico, que foi mostrado acima.


As fases seguem épocas da vida. Por exemplo, o aprimoramento, a sexualidade, o potencial vital, quantidades e tipos de hormônios, intensidade de mimetismo, trocas de cores e camuflagem, etc.

E outra fase o potencial vital diminui e as incidências para doenças aumentam.

E na fase final a vida se prepara para o fim, e até a mente do ser passa a aceitar o fim da vida.

Ou seja, o corpo, a vida e a mente estão preparados para todas as fases, inclusive para o fim.


E isto faz parte de uma programação imanente que o ser leva consigo e transcende aos descendentes.


A fase de maior potencial vital é no momento da fecundação, depois passa a diminuir progressivamente através das fases de gestação, infância, adolescência, juventude, adulta e velhice.



Quatro elementos fundamentais do universo não material.

Deus, espírito, essência vital, mente.


A alteração vital causa pré disposição  vital, psíquica, fisiológica, e que leva ao ser alterações psíquicas, físicas, sexuais, etc.



Potencialidades e dessemelhantismo.


A vida se processa e se aprimora por potencialidades vitais.

Com isto o funcionamento e aprimoramento seguem uma programação na produção da metabolização, desenvolvimento de componentes químicos, hormônios, físicos, etc.

Com isto segue as fases da vida. Pois para cada fase da vida há uma programação para funcionar.

Nas fases da fecundação.

Nas fases da gestação,.

Nascimento.

Infância, adolescência, adulta, reprodutiva, velhice e pré-morte.



E o desenvolvimento e aprimoramento da vida seguem e se desenvolvem conforme as fases e potencialidades aprimoradas pela vida.

Com isto, conforme a potencialidade vai haver um tipo de aprimoramento. Com isto cada ser tem a sua própria característica de aprimoramento. Pois o aprimoramento é ínfimo e infinito.


Assim, a evolução não é semelhante para todas as espécies.

Não segue uma seleção natural.

Todo ser e espécie tem o seu universo vital, funcional conforme a sua natureza vital, transcendental, e de potencialidades.


O homem se diferencia dos outros animais por possuir espírito.




Não existe o gene do envelhecimento, pois do contrario deveria existir o gene da infância, da juventude, da adolescência, etc.

O envelhecimento faz parte da vida do ser, pois a vida segue uma programação vital.

O envelhecimento faz parte da vida do ser, porem, o ser luta contra ele e contra a morte, por isto que a vida se renova na renovação celular, na produção de energia e na reprodução.

O envelhecimento e a predisposição para doenças dependem do universo vital que o ser recebeu dos seus antecedentes. Existe seres mais fortes e outros mais fracos, e isto é de todo universo vital desenvolvido pelos seus antepassados.

Mas não há um gene para isto, mas todo um organismo de metabolizações e funções vitais que compõe o ser.


O ser está apenas transcendo este estágio. Ele é só mais um elo.

O ser começa a envelhecer e a morrer no momento que nasce. E ele passa a usar todos os seus recursos e potencialidades vitais para retardar este processo. Por isto que a vida desenvolveu a renovação celular e de orgânulos, produção de energia pelos ribossomos, produção de hormônios e metabolizações.



Teoria do aprimoramento natural.

1- O aprimoramento não é semelhante para todas as espécies – há vários tipos de aprimoramentos e direcionamentos, de programações e potencialidades, logo o aprimoramento não é semelhante para todos os seres e espécies.

Como exemplo pode-se citar que os anfíbios podem mudar de cores, outras espécies produzirem órgãos e funções diferentes. Ou seja, o potencial e a programação não são semelhantes, levando a um aprimoramento também dessemelhante.

E toda modificação e aprimoramento dependem do universo vital do ser e a capacidade de seu potencial vital.

Ou seja, o aprimoramento é interno e faz parte de seu universo vital. E não de uma relação com o meio ambiente.

Por isso que num mesmo meio ambiente possui vários tipos de seres e espécies. Como exemplo, pode-se citar os macacos que na floresta amazônica há varias espécies. E varias tipos anfíbios.

Ou seja, se o meio ambiente fosse o determinante só haveria uma espécie de macacos e de anfíbios.



2- Os maiores e mais complexos não são necessariamente os mais desenvolvidos. Cada espécie e ser procura desenvolver as suas potencialidades para manter a sua vida e a sua continuidade. [ ver teoria biológica da inversão graceliana publicada na internet].


3- O aprimoramento segue uma ordem, uma programação e direcionamento interno. O aprimoramento é regido pelo universo vital.

Ou seja, não obra do acaso e nem de uma seleção natural.

4- A quantidade de matéria diminui certas potencialidades, aprimoramentos, funções, órgãos e metabolizações.

5- A vida não surge de uma matéria evoluída, ou modificada.

6- A vida é uma essência própria e em si, ela usa a matéria para se estruturalizar.
Porem há vida fora da matéria, no caso os espíritos. Já tem origem na fecundação.

7-A vida tem sua origem no poder divino.

O que diferencia o homem dos outros animais é o espírito.





Parte deste trabalho já foi publicada na internet. Como metafenomenia, metapsicologia, critica da razão transcendental, biologia da inversão e biologia craciológica  [graceliana]. E outros.




Há uma programação funcional e metabólica de renovação da vida  durante o sono.

Crescemos e emagrecemos durante o sono. Pois, usamos menos oxigênio e nossas funções metabólicas têm menos intensidade.

Possibilitando, assim que a vida cumpra sua função vital que é manter a vida no seu máximo.


Até o cérebro funciona melhor durante o sono.

A renovação da vida é maior durante o sono. Pois a vida segue uma programação de fluxos de intensidades de alteração e renovação [ maior no sono e menor durante a fase acordado].

A renovação celular e de orgânulos, e produção de energia são maiores durante o sono.

Assim, é variável, dessemelhante, alternativos, e varia de espécie para espécie, ou seja, tem uma funcionalidade dessemelhante.

O oxigênio é o elemento fundamental para a funcionalidade da vida. Porém, quando os ribossomos queimam e transformam o oxigênio perde parte da potencialidade de suas funções vitais.

Por isto que a vida está programada para a renovação. Pois a mesma sabe que ela tem que se programar para manter a sua existência. Pois ela precisa do elemento [oxigênio] para manter-se viva. E que é o mesmo que a leva a morte.

O oxigênio – elemento fundamental da vida é o mesmo da morte.



A existêncialidade determina a essencialidade.

Assim, temos a existência é anterior a essência vital. Esta a vida, esta aos seres vivos, e com o espírito temos o ser humano.


Metabiologia.

Os elementos fundamentais da vida.

1-Racionalidade vital.

2-Poder vital.

3-Potencialidade vital.

4-Aprimoramento vital.

5-Poder divino.

Estes paradigmas são os regedores da vida do desenvolvimento da vida.

E produz e fundamenta a evolução e a genética.

São mais importantes na produção da vida do que a evolução e a genética. Pois são eles que produzem a evolução e a genética.



A vida pode não ter uma origem única. Mas varias.

Pois, fica difícil dizer que um animal surgiu de uma planta. Ou um vegetal de um animal.

Assim, os vegetais tiveram uma origem.

Os animais outra origem.

Os vírus outra origem.

A água-viva outra origem.

Liquens outra,

Coral outra.

E outras formas de vida sobre a terra que não relacionei acima.

Pode haver outras formas de vida, ou micro vidas ainda não encontradas pelo homem.



E o desenvolvimento não semelhante a todos os seres e espécies. Pois depende do poder e da potencialidade de cada gênero, família, espécie, ser e vida incubada e regedora deles.


O aprimoramento é uma potencialidade natural e vital e faz parte do desenvolvimento da vida.


Não é o ser ou espécie que desenvolve as potencialidades, mas é a vida.


Assim temos.

Poder vital.
Essência vital.
Vitalidade.
Potencialidade.
Materialidade. E estes cinco elementos forma o ser vivo.

E estes cinco elementos com o espírito e a existencialidade formam o ser vivo.


Assim, a vida não se desenvolve por uma seleção natural, mas por uma potencialidade vital e uma racionalidade vital.

Isto independe do meio externo. Por isto que num mesmo meio ambiente há tantas espécies diferentes.

Assim, os determinantes são - o poder vital e a potencialidade vital.


Não é a materialização, o acaso, a mecanização, mas a vida, a essência da vida, a existencialidade, o poder vital, a potencialidade vital e a racionalidade vital.


Assim, como a evolução também os genes são uma construção do poder vital, do universo vital, da essência vital.


A vida não surge da matéria, mas do poder e da essência vital.

A vida não é obra do acaso, mas do poder vital.

A vida não é materialista e mecanicista, mas sim, vital essencialista, craciológica e de potencialidades.


A matéria não tem poder para construir tamanha engenharia, biofísica, bioquímica. Pois a engenharia da vida é maior do que a do cosmo. Logo, a matéria não construiria a essência vital.

Não produziria os espíritos.


Os maiores seres não são necessariamente os mais desenvolvidos, pois em relação ao peso uma formiga vive mais de mil anos se comparado com um elefante. [Ver teoria de biologia da inversão de graceli – publicada na internet].

A vida tem o poder de se aprimorar e curar-se.

E produz uma racionalidade própria de si e do universo.


Formas de realidades.

Física, química, biológica, vital, psíquica, poder e potencialidades. Espiritual,










Nenhum comentário:

Postar um comentário